Home / Sua saúde / Especialistas indicam estratégias para diminuir o estresse

Especialistas indicam estratégias para diminuir o estresse

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o estresse atinge 90% da população mundial. Apesar de prejudicar a qualidade de vida e ser capaz de enfraquecer o sistema imunológico quando em excesso, o estresse não é considerado doença – pelo contrário – é algo natural. “É uma reação do nosso organismo, nos preparando para lidarmos com alguma situação, com algo que nos demande um enfrentamento ou adaptação”, explica a psicóloga Selma Bordin.

Necessário na medida certa

Quem já passou por situações assim, sentiu a descarga de hormônios liberados, como a adrenalina e o cortisol. O coração acelera, os músculos se contraem, a respiração fica mais curta e a pressão arterial aumenta. “Essas alterações físicas são capazes de acelerar o tempo de reação e aprimorar o foco, podendo inclusive salvar vidas”, completa a psiquiatra clínica e terapeuta cognitivo comportamental Maria Fernanda Caliani.

“Em situações de emergência, o estresse dá força extra para você se defender, por exemplo, estimulando você a pisar nos freios em questão de milésimos de segundos para evitar um acidente”, explica.

Porém em excesso, essa tensão deixa de ser útil e começa a prejudicar a saúde, os relacionamentos e a qualidade de vida das pessoas. Se você passa por situações assim, saiba que há formas simples de gerenciar esse estado.

Todas as atitudes que levem a uma boa qualidade de vida são válidas para evitar que o estresse se instale, segundo a Dra. Maria Fernanda Caliani. “Aqui entra aquele discurso clássico que a maioria dos médicos orienta nas consultas: dormir bem, ter momentos de lazer, praticar atividade física, ter uma alimentação saudável e balanceada. Todas essas medidas reduzem os níveis constantes de adrenalina, que em excesso, pode desencadear o estresse”, explica.

A psiquiatra lembra, entanto, que ajuda profissional pode ser necessária quando a pessoa não consegue controlar o nível de estresse sozinha.

Para a psicóloga Selma Bordin, o gerenciamento de estresse pode ser feito seguindo as seguintes etapas:

Etapa 1 – Adequando a demanda
Segundo Bordin, o objetivo é nos mantermos dentro da faixa em que o estresse é positivo. “Ele não pode ser de mais, nem de menos. Pouco estímulo ou demandas também é prejudicial. Sabe aquele domingo em que você tem uma única coisa a fazer? Você enrola o dia inteiro e não faz. Daí o ditado ‘se tiver que pedir algo a alguém, peça a quem estiver ocupado’. Isso acontece porque a demanda não é suficientemente estimulante. Quando o estresse é de menos precisamos dizer mais ‘sim’ para os desafios. Quando for de mais precisamos dizer mais ‘não'”, explica.

Etapa 2 – Aumentar a resistência
“Nosso organismo é praticamente o mesmo do organismo do homem primitivo. Mas os estressores (fatores causadores do estresse) são completamente diferentes”, lembra a psicóloga. E portanto a nossa reação de enfrentamento envolve mudanças em nosso corpo e fisiologia. “Quando corríamos do leão, milênios atrás, os hormônios lançados em nossa corrente sanguínea eram consumidos. Hoje enfrentamos os leões em nossas cadeiras”, comenta. “Por isso, praticar atividade física é tão importante, pois quando feita regularmente ela equilibra o que o estresse desequilibrou”, explica Bordin.

Ela ainda cita alimentação saudável para repor nutrientes fundamentais, sono, descanso e afeto positivo, que ajuda na proteção física e mental dos efeitos danosos do estresse.

Etapa 3 – Trabalhando características pessoais
Muitas pessoas induzem em si um alto nível de estresse: as mais competitivas, perfeccionistas e apressadas. As que têm dificuldade de dizer não ou de negociar sofrem muito com as consequências danosas do estresse. Sentem-se frequentemente culpadas e devedoras. Portanto, trabalhar essas características e não se cobrar tanto pode ser de grande ajuda, segundo Selma Bordin.

Além disso, verifique

Benefícios da meditação diária podem se estender por até sete anos, diz estudo

Meditar com frequência melhora a capacidade de atenção do cérebro por até sete anos, mostrou ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *